quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Memórias de uma cortesã de Wray Delaney

     Opinião: Na brilhante capa de Memórias de uma cortesão de Wray Delaney está escrito, e cito: “ Um conto de fadas erótico para adultos”. E é mesmo.
    O livro, embora de 2016, parece um clássico inglês do século XVIII onde se juntam as festas, o poder dos homens nobres, o declínio dos jogadores e a exploração das mulheres pelas figuras masculinas.
   Tully é uma jovem fogosa ignorada pelo pai e que acaba, por força dos acontecimentos, por se tornar meretriz. Ela para além de ser uma mulher lindíssima, sem complexos é também uma jovem e boa alma, que acaba por se mostrar generosa e bem formada. Para além disso tem poderes que a ajudarão em circunstancia nefastas.
   Quando o livro começa Tully está pressa arriscando-se a ir parar à forca. Com esta realidade resolve escrever a sua história de vida e é este flashback que serve de construção literária para a história. Trata-se, pois, de um livro muito bem escrito, em que nos sentimos levados pela descrição da cidade de Londres da época e pelos acontecimentos.
   A construção do espaço é outro aspeto importante e muito bem feito. Os diferentes espaços interiores ou exteriores estão muito bem narrados, sendo esta exposição de uma pertinência absoluta. Vamos da cela da prisão para os espaços amplos e glamorosos do bordel de Queenie, das tabernas para os teatros, sendo sempre correta a apresentação dos lugares ou das próprias personagens ou mesmo no que se refere ao guarda-roupa.
    Não querendo desvendar os mistérios e as aventuras vividas pela jovem cortesã, não posso deixar de referir que o erótico está muito bem tratado e narrado no livro. Não é ofensivo, nem obsceno. Pelo contrário o assunto é tratado com delicadeza e bom gosto. Surge quando deve e, na maior parte das vezes, acaba por ser uma relação amorosa, mais do que um negócio.
   Deixem-me terminar referindo que num momento em que tanto se fala do papel da mulher na sociedade e de violência sobre as mulheres este é um livro que enaltece a figura feminina, as suas competências e o papel que lhe seria devido na sociedade.
     Um livro que aconselho sem dúvida alguma. 

    Sinopse: A jovem Tully chegou a ser a mulher mais desejada de Londres. Agora, todos disputam os melhores lugares para assistir à sua execução. Ela sabe que tem apenas uma hipótese de escapar à forca. Para tal, tem de conseguir contar a história da sua vida à única pessoa capaz de a salvar.
    Nas catacumbas da prisão de Newgate, Tully aguarda... E escreve com a emoção de quem luta pela vida. Casada à força aos doze anos para saldar as dívidas de um pai alcoólico, consegue escapar apenas para ser despachada para o bordel mais sumptuoso da cidade, onde descobre a sua vocação como cortesã. Tully Truegood é órfã, cortesã e aprendiza de um feiticeiro. Será também assassina?
    Pleno de erotismo e realismo mágico, Memórias de uma Cortesã é uma magnífica viagem ao submundo londrino do século XVIII.



Sem comentários:

Enviar um comentário